HOME > CULTOS/RELIGIÕES > ISLAMISMO 

                                                 A Bíblia é confiável!

Ney Rieber
Tradução: Emerson de Oliveira


Os muçulmanos usam dois argumentos para desacreditar a Biblia: 

Primera acusação dos muçulmanos contra a Bíblia: "texto acorrompido" 
Segunda acusação dos muçulmanos contra a Bíblia: "não foi escrita na linguagem de Jesus"

Os muçulmanos são similares aos mórmons 

Clique aqui para ver outras semelhanças entre o Islã e o mormonismo 

Ao estudar com os muçulmanos, vemos que eles compartilham um problema comum com nossos amigos mórmons. Eles afirmam que crêem em Deos, mas não reconhecem as mesmas fontes de autoridade. 

Os mórmons tem adiconado o "Livro de Mórmon, A Pérola de Grande Preço e Doutrinas e Convênios". Os muçulmanos tem adicionado um livro chamado "Alcorão" e outra coleção de livros chamada "Hadith"

Considera-se que o Alcorão é a palabra de Deus, enquanto o "Hadith" são histórias da vida de Maomé e se considera que são "exemplos aceitos". Por exemplo, o Alcorão ensina aos muçulmanos a orar cinco veces por dia, mas para aprender a orar, eles devem voltar-se aos exemplos da vida de Maomé gravados no Hadith. 

Os muçulmanos, como os mórmons, dirão que a Bíblia é de Deus. Enquanto os mórmons afirmam crer na Bíblia, eles mostram não reconhecer a autoridade da Bíblia quando qualificam suas declarações com "na medida em que se traduz com precisão". 

Por conseguinte, qualquer texto usado para repudiar sua teologia é taxado de má tradução ou corrompido. Quando a situação aperta, alguns chegam a admitir que na verdade não queriam usar a Bíblia mas só a usaram para ter acesso a casas de pessoas não-mórmons.

Duas acusações muçulmanas contra a Bíblia: 

Primera acusação dos muçulmanos contra a Bíblia: "texto corrompido" 

Os muçulmanos também dizem crer na Bíblia, mas eles também qualificam sua declaração com "na medida em que se traduz com precisão". Qualquer texto da Bíblia que você usar para demonstrar que o ensino islâmico está errado logo será taxado de espúrio, errôneo ou corrompido. Então eles irão ignorar e dizer que seu argumento é inválido. 

Segunda acusação dos muçulmanos contra a Bíblia: "não foi escrita na linguagem de Jesus"

Umas das objeções freqüentes dos muçulmanos é que porque não temos cópias da bíblia escritas em aramaico, o idioma de Jesus, não temos um livro totalmente confiável. Eu lhes respondi: "mostre-me, então, as palavras de Jesus na língua que Ele falou". Eles dizem que por não termos as palavras de Jesus gravadas no idioma da Judéia do séc. I, não podemos confiar no que estamos lendo.  

Refutação do argumento 1: "corrupção" 

Vamso ver alguns de seus argumentos e ver se eles são válidos. Antes de começarmos, veremos algumas definições de termos islâmicos sobre o Alcorão. 

A. Definicões e Informação 

Surata - É o equivalente de um livro na Bíblia. Esta Surata ou livro podem ser denominadas por um nome ou número. Por exemplo, a Surata 4 é chamada de "Al-Nisa", em árabe, ou "As Mulheres" em português. Há 114 Suratas no Alcorão. 
Ayah - É o equivalente a um versículo na Bíblia. O Alcorão não tem divisões do capítulo  como a Bíblia. Cada Surata se numera parecida aos versículos como a Bíblia é numerada. 
Ordem - A Surata não se coloca em ordem cronológica, mas geralmente em ordem de seu tamanho, começando com a mais comprida e terminando na mais curta. A Surata 2 tem 286 Ayah e a Surata 114 tem 6 Ayah. A exceção a isto é a Surata 1 que tem 7 Ayah e é chamada de "Al-Fatihah" ou "A Abertura".

B. Os livros de judeus e cristãos são de Deus 

Primero, podemos mostrar que o Alcorão declara que livros dos judeus e cristãos são de Deus, ou Alá, como eles dizem.  

Surata 6, Al-Anam, O Gado 
6:154 - "Havíamos concedido a Moisés o Livro como uma bênção para quem o observasse, contendo a explanação de tudo, e sendo orientação e misericórdia, a fim de que (os israelitas) cressem no comparecimento ante seu Senhor".
 
C. O Livro dado a Moisés foi o guia de Deus (Alá) aos filhos de Israel. 

Surata 32, As-Sajdah, A Postração  
32:23 - "Já havíamos concedido o Livro a Moisés. Não vaciles, pois, quando ele chegar a ti. E destinamo-lo como orientação para os israelitas". 

32:24 "E designamos líderes dentre eles, os quais encaminham os demais segundo a Nossa ordem, porque perseveraram e se persuadiram dos Nossos versículos".

Surata 17, Al-Isra,Os Filhos de Israel 
17:2 - "E concedemos o Livro a Moisés, (Livro esse) que transformamos em orientação para os israelitas, (dizendo-lhes): Não adoteis, além de Mim, outro guardião!"
 
D. Os judeus preservaram a Palavra de Deus  

Também é importante a mostra que no Alcorão, os judeus foram responsáveis pela guarda e proteção do Livro de Deus e não há nenhuma indicação que eles falharam nesta missão.

Surata 5, Al-Maidah, A Mesa Servida 
5:44 - "Revelamos a Tora, que encerra Orientação e Luz, com a qual os profetas, submetidos a Deus, julgam os judeus, bem como os rabinos e os doutos, aos quais estavam recomendadas a observância e a custódia do Livro de Deus. Não temais, pois, os homens, e temei a Mim, e não negocieis as Minhas leis a vil preço. Aqueles que ao julgarem, conforme o que Deus tem revelado, serão incrédulos".

E. O Velho e o Novo Testamentos são um guia para a Humanidade

O Alcorão declara, que não só Deus enviou o Livro a Moisés, mas que também enviou o Evangelho de Jesus. Estes dois livros juntos são chamados de "guias para a humanidade".
 
Surata 3, Al-Imran, A Família de Imram (o pai de Moisés) 
3:2
- "Deus! Não há mais divindade além d'Ele, o Vivente, o Subsistente. 3.3 - Ele te revelou (ó Mohammad) o Livro (paulatinamente) com a verdade corroborante dos anteriores, assim como havia revelado a Tora e Evangelho".

O Ayah anterior, ou versículo, também declara que Alá enviou o Alcorão. 

Precisamos notar que o Alcorão ridiculariza a controvérsia entre dos dois Testamentos entre os judeus e cristãos, mas nenhuma una vez declara que há algum erro nos livros. 

Surata 2, Al-Baqarah, A Vaca 
2:113 - "Os judeus dizem: Os cristãos não têm em que se apoiar! E os cristãos dizem: O judeus não têm em que se apoiar!, apesar de ambos lerem o Livro. Assim também os néscios dizem coisas semelhantes. Porém, Deus julgará entre eles, quanto às suas divergências, no Dia da Ressurreição".

F. Os muçulmanos são ensinados a crerem na Bíblia 

A mesma Surata no Alcorão declara que os muçulmanos devem crer em todas as escrituras dos profetas, ambos do Velho Testamento e do Novo! Este é um princípio importante de notar. Os muçulmanos acreditam na Bíblia! 

Surata 2, Al-Baqarah, A Vaca 
2:136 - "Dizei: Cremos em Deus, no que nos tem sido revelado, no que foi revelado a Abraão, a Ismael, a Isaac, a Jacó e às tribos; no que foi concedido a Moisés e a Jesus e no que foi dado aos profetas por seu Senhor; não fazemos distinção alguma entre eles, e nos submetemos a Ele".

G. Seguir a Bíblia leva ao Paraíso 

O Alcorão diz que o Velho e o Nvo Testamento foram adequados para guiar os homens para fazer a vontade de Deus (Alá) e, se eles o seguissem, seriam abwençoados nesta vida e ganhariam o Paraíso. 

Surata 5, Al-Maidah, A Mesa Servida 
5:65 - "Mas se os adeptos do Livro tivessem acreditado (em Nós) e temido, tê-los-íamos absolvido dos pecados, tê-los-íamos introduzido nos jardins do prazer".

5:66 - "E se tivessem sido observantes da Tora, do Evangelho e de tudo quanto lhes foi revelado por seu Senhor, alimentar-se-iam com o que está acima deles e do que se encontra sob seus pés. Entre eles, há alguns moderados; porém, quão péssimo é o que faz a maioria deles!"

H. Os judeus de cristãos são acusados de deixarem de seguir seus livros 

O Alcorão faz vários acusações contra o modo que os judeus e cristãos estavam usando os livros mandados a eles. Na Ayah seguinte, veremos o judeus serem cobrados a praticar mais. Os cristãos são cobrados a ensinar a mensagem completa do Evangelho. mas note que em nenhum caso diz que o Livro foi corrompido. 

Surata 5, Al-Maidah, A Mesa Servida
5:12 - "Deus cumpriu uma antiga promessa feita aos israelitas, e designou-lhes doze chefes, dentre eles, dizendo: Estarei convosco se observardes a oração, pagardes o zakat, credes nos Meus mensageiros, socorrerde-los e emprestardes espontaneamente a Deus; absolverei as vossas faltas e vos introduzirei em jardins, abaixo dos quais correm os rios. Mas quem de vós pecar, depois disto, desviar-se-á da verdadeira senda."
 
5:13 - "Porém, pela violação de sua promessa, amaldiçoamo-los e endurecemos os seus corações. Eles deturparam as palavras (do Livro) e se esqueceram de grande parte que lhes foi revelado; não cessas de descobrir a perfídia de todos eles, salvo de uma pequena parte; porém, indulta-os e perdoa-lhes os erros, porque Deus aprecia os benfeitores."

5:14 - "E também aceitamos a promessa daqueles que disseram: Somos cristãos! Porém, esqueceram-se de grande parte do que lhes foi recomendado, pelo que disseminamos a inimizade e o ódio entre eles, até ao Dia da Ressurreição. Deus os inteirará, então, do que cometeram".

I. Não se faz nenhuma acusação de corrupção contra a Bíblia 

O Alcorão diz que os judeus e cristãos abusaram do Livro que Deus lhes deu, mas em que parte está que o Livro se tornou corrompido? É importante entender isto, porque agora podemos progredir para a aplicação e a relação dos argumentos dos muçulmanos sobre a corrupção de nossa Bíblia atual. 
O Alcorão foi escrito durante a vida de Maomé, que viveu de 570 a 632 d.C.. Nesta época, nenhuma acusação de corrupção bíblica foi feita contra os dois Testamentos. Isto mostra que Maomé considerava a Bíblia inspirada e exata! Isto é importante! A Bíblia que as pessoas usavam na época de Maomé não era considerada corrupta! 
Com esta perspectiva, considere os documentos seguintes e suas datas. 

Tabela das datas dos documentos dos textos bíblicos

 Codex

  Data

 Linguagem

  Descoberta

 Onde está

 Vaticanus

 325-350

 Grego

 Roma

 Roma

 Sinaiticus

  séc. IV

 Grego

 Sinai

 Londres

 Alexandrinus

 450

 Grego

 Egito

 Londres

 Ephraemi Rescriptus

 345

 Grego

 Síria

 Paris

 Bezae

 450-550

 Grego/Latim

 África do Norte

 Cambridge

 Claromontanus

 550

 Grego

 Itália

 Paris

 Codex Freerianus

  fim do séc. IV, começo do séc. V

 Grego

 Egito

 Smithsonian

Tabela das traduções dos textos bíblicos 

  Traduções

 Data

 Linguagem

 Antigo latim

 antes de 180

 Latim

 Vulgata Latina

 382-405

 Latim

Tradução cóptica

 292-346

 Copta/Egípcia

 Peshitta

 400

 Siríaca


Esta é a evidência que nossa Bíblia moderna se traduz de documentos antes dos que existiram antes e durante a época de Maomé. Agora coloquemos as afirmações do Alcorão junto com a documentação histórica do texto bíblico e façamos algumas observações. 

J. Maomé tinha cópias da Bíblia à disposição. 

Ele sabia que elas estavam em uso. 
Ele as aprovou como sendo de Deus (Alá). 
Ele não as condenou como corrompidas ou contaminadas.

As nossas Bíblias de hoje são traduzidas de textos que existiram antes de Maomé, das mesmas fontes dos "Livros" ou talvez dos mesmos "Livros" que Maomé disse serem exatos! Se este for o caso, os muçulmanos precisam reavaliar sua posição sobre a corrupção da Bíblia. Eles não tem nenhuma base para dizer que o texto bíblico foi corrompido, quando seu prórprio profeta disse que não eram corrompidos!  

Refutação do Argumento 2: "Não foi escrita na linguagem de Jesus" 

Refutação do argumento "argumento não-aramaico"  

Maomé não condenou as traduções dos evangelhos. 
Havia traduções dos evangelhos em árabe e elas foram lidas por Maomé. Ele não as declarou inadequadas.  

Vol. 4 - Os Profetas - Hadith 605 

605. Narrado por Aisha: O Profeta (VIU) voltava para Khadija enquanto seu coração estava batendo rápido. Ela o levou para Waraqa bin Naufal, que era um cristão convertido e lia os Evangelhos em árabe. Perguntou Waraqa (o Profeta (VIU)), "O que você vê"? Quando ele falou, Waraqa dijo: "Esse é o mesmo anjo que Alá enviou (ao Profeta) Moisés. Se eu viver até você receber a mensagem divina, eu o apoiarei". 

A ausência de argumentos no Alcorão sobre o aramaico 

O fato que nenhum acusação foi feita contra a falta de uma tradução em aramaico original no Alcorão é insignificante. Esta não é uma posição tomada pelo Alcorão ou Maomé.
Se as traduções disponíveis eram adequadas a Maomé, sem ter em conta o idioma, então eles devem ser adequados aos muçulmanos hoje. 
Da mesma maneira, nada se diz em qualquer lugar do hadith sobre o Injil (Evangelhos) sendo insuficiente porque não se foi escrito na língua de Isa (Jesus) 

Se Maomé, seu profeta exigido de Alá, não negou o livro dos cristãos porque não estava em aramaico, os muçulmanos hoje não tem razão em negá-los. 

VOLTA