HOME > SEITAS E HERESIAS > MORMONISMO

Ez. 37 profetiza sobre o Livro de Mórmon?

http://www.irr.org
Tradução: Emerson de Oliveira


Segundo a igreja Mórmon, Ez. 37:16-17 prediz a vinda do Livro de Mórmon. O texto diz o seguinte: 

"Tu, pois, ó filho do homem, toma uma vara e escreve nela: Para Judá e para os filhos de Israel, seus companheiros; depois, toma outra vara e escreve nela: Para José, vara de Efraim, e para toda a casa de Israel, seus companheiros. Ajunta-as uma ao outra, faze delas uma só vara, para que se tornem apenas uma na tua mão." 

A igreja Mórmon alega que as “varas” mencionadas nesta passagem se referem aos rolos de pergaminho que antigamente foram embrulhados em volta de varas. Eles então dizem que a “vara de Judá” se refere à Bíblia, e a “vara de José” se refere ao Livro de Mórmon. As duas varas que se tornam uma só simbolizam a Bíblia e Livro de Mórmon juntos como escrituras.

Um exame cuidadoso desta passagem revela sérios problemas com esta interpretação. Em primeiro lugar, na Bíblia hebraica (Velho Testamento) a palavra traduzida por “vara” (ets) sempre se refere a madeira e nunca é usada figurativamente para rolo ou livro. Então, nada nestes versículos sugere um livro ou rolo. Segundo Strong:

06086 Ue ‘ets (êts) 

de 06095; TWOT-1670a; n m 

1) árvore, madeira, madeira, tábua, talo, vara, forca 
1a) árvore, árvores, 
1b) madeira, pedaço de madeira, forca, lenha,madeira de cedro, linho lenhoso

Obs.: Note que em nenhum lugar significa "rolo".

Segundo, a interpretação da igreja Mórmon ignora o fundo histórico da mensagem de Ezequiel. Na época do profeta Ezequiel (séc. VI a.C.), a nação de Israel estava em tumulto. Logo após o tempo de Solomão, tinha sido dividida em dois reinos. As dez tribos do norte tinham sido levadas e passou a se chamar Israel daqui em diante, mais cedo cativo pela nação Assíria em 723/722 a.C. Então as duas tribos do sul (o reino de Judá), foram levadas cativas pelos babilônicos (606–583 a.C.). A dissolução das pessoas da aliança de Deus estava afligindo extremamente para a sobra de crentes hebreus fieis. Pareceu que as promessas de Deus tinham falhado. Este é o cenário do capítulo 37. 

Assim, qual é a mensagem de Ezequiel aos hebreus? No meio do desespero e dor Ezequiel dá uma mensagem de duas partes de conforto e esperança em Deus. A primeira parte são os versículos 1-14, que contêm a famosa visão do vale de ossos secos. Nesta visão, o Deus de Israel dá vida nova no secos e difundiu nação de Israel e devolve o povo para a terra. Para quem leu esta passagem pela primeira vez, entendeu perfeitamente o significado do vale dos ossos secos voltando à vida.  

Então, nos versículos 15-22, Deus promete uma restauração futura para a nação inteira, e anuncia que algum dia o reino do norte, chamado de “José” e o reino do sul, chamado “Judá”, seriam mais uma vez o Israel unido. 

É aqui que nós encontramos o significado das “varas” unidas em Ez. 37:15-22. No versículo 16, Ezequiel escreve numa vara: “Para Judá e para os filhos de Israel, seus companheiros”. Esta primeira vara representava o reino do sul, ou Judá. Em uma segunda vara, ou pedaço de madeira, Ezequiel deveria escrever: “Para José, pedaço de madeira de Efraim, e para toda a casa de Israel, seus companheiros”. Isto representava o reino do norte, chamado de Israel. 

Deus então pede para Ezequiel, em verso 17, unir as duas varas em uma vara pra serem uma só nas mãos de Ezequiel. Fazendo assim, Deus está dizendo que Ele devolverá as pessoas divididas e as reunirá novamente. Que este é o significado das duas varas e sua união é explicitamente mostrado nos em versículos 21-22. 

"Dize-lhes, pois: Assim diz o SENHOR Deus: Eis que eu tomarei os filhos de Israel de entre as nações para onde eles foram, e os congregarei de todas as partes, e os levarei para a sua própria terra. Farei deles uma só nação na terra, nos montes de Israel, e um só rei será rei de todos eles. Nunca mais serão duas nações; nunca mais para o futuro se dividirão em dois reinos". 

A profecia de Ezequiel 37:16-17 tem um contexto histórico específico. É uma predição da unidade futura do povo eleito de Deus. A tentativa pela igreja Mórmon de fazer esta passagem uma predição sobre o Livro de Mórmon viola o contexto histórico e gramatical da passagem, sendo uma falsa interpretação desta passagem bíblica. 

VOLTA