HOME > CIÊNCIA 

Introdução Geral para não-Crentes, Parte 2: 
evidências para a crença em Deus

Por: Rich Deem
Tradução: Lílian Berlandi do Valle

A Parte 1 da introdução para não-crentes mostrou que ateísmo convicto contradiz sua própria visão de mundo, acreditando que o universo tem uma causa natural apesar da falta de evidência observável para tal crença. Entretanto, já que não há evidência observável direta quanto à origem do universo, por que alguém deveria acreditar numa hipótese igualmente inobservável de que Deus criou o universo? Embora não haja evidência direta para a causa do universo, nós temos agora uma quantidade considerável de conhecimento sobre a história do universo e das leis e o governam, o que nos provê evidência indireta de que um Agente super-inteligente planejou o universo. Para manter esse ensaio breve, a maioria da informação de apoio não será incluída. De qualquer maneira, você pode clicar nos links para os artigos completos se quiser detalhes.

O universo foi planejado?
"Coisas improváveis ocorrem o tempo todo” é o mantra do ateu. Certamente é possível que coisas improváveis aconteçam. Entretanto é virtualmente impossível que simplesmente acontecesse que todas as leis físicas se dobrassem perfeitamente para que estrelas e galáxias existissem.

Evidência de planejamento?
A melhor evidência do planejamento pode ser vista na natureza do universo e como veio a existir. O processo de descoberta continua, desde que uma das propriedades fundamentais do universo, energia escura (ou constante cosmológica), foi descoberta no fim do século passado. Novos estudos continuam a acrescentar ao nosso conhecimento sobre o universo e sua extremamente improvável formação.

O Big Bang
A Teoria do Big Bang declara que o universo surgiu de uma singularidade virtualmente sem tamanho, que deu início às dimensões de tempo e espaço, bem como a toda matéria e energia. No começo do Big Bang, as quatro forças fundamentais começaram a se separar uma das outras. No início da sua história (10-36 to 10-32 segundos), o universo passou por um período de pequena, mas dramática, hiper-inflacionária expansão. A causa dessa inflação é desconhecida, mas foi necessária para que houvesse vida no universo.

Quarks em excesso
Quaks e antiquaks combinados aniquilam um ao outro. É esperado que a razão entre quarks e antiquarks seja exatamente igual a um, já que não se espera que um seja produzido em preferência a outro. Contudo, miraculosamente, quarks superam em número antiquarks numa razão de 1.000.000.001 pra 1.000.000.000. O pequeno excesso remanescente de quarks eventualmente fizeram toda a matéria que existe no universo.

Universo grande, mas do tamanho exato!
Ainda assim, o universo é enorme comparado ao tamanho do nosso Sistema Solar. A imensidão do universo não é evidência de que os humanos são realmente insignificantes, contradizendo a idéia de que Deus criou o universo pensando na humanidade? Acontece que o universo não poderia ter sido menor do que isso para que a fusão nuclear ocorresse durante os 3 primeiros minutos depois do Big Bang. Sem esse pequeno momento de nucleosíntese, o universo consistiria somente em hidrogênio1 . Da mesma forma, o universo não poderia ter sido muito maior do que isso, ou a vida não seria possível. Se o universo fosse apenas uma parte em 1059 maior,2 o universo teria entrado em colapso antes que a vida fosse possível. Já que há somente 1080 bárions no universo, isso significa que uma adição de apenas 1021 bárions (mais ou menos a massa de um grão de areia) teria tornado a vida impossível. O universo é exatamente do tamanho que precisa ser para que a vida exista.

Evolução inicial do universo
Cosmologistas presumem que o universo poderia ter evoluído de muitas formas, e que o processo é completamente aleatório. Baseando-se nesse pressuposto, praticamente todos os possíveis universos consistiriam em radiação térmica, não matéria. Dos pequenos universos subconjuntos que conteriam matéria, um pequeno subconjunto seria similar ao nosso.Um subconjunto muito pequeno desses teria se originado por meio de condições inflacionárias. Portanto, universos que conduziriam à vida “são quase sempre criados por flutuações a esses estados ‘miraculosos’”. Segundo o cosmologista ateu. Dr. L. Dyson.3

As leis físicas exatas!
As leis físicas devem ter valores muito próximos daqueles observados senão o universo não funciona “bem o suficiente” para a sustentar a vida.O que acontece se variarmos as constantes? A poderosa força nuclear (que segura os componentes dos átomos uns aos outros) tem um valor de forma que dois quando dois átomos de hidrogênio se fundem, 0,7% da massa é convertida em energia. Se o valor fosse 0,6% um próton não poderia se unir a um nêutron, e o universo consistiria somente de hidrogênio. Se o valor fosse 0,8%, a fusão aconteceria tão prontamente que nenhum átomo de hidrogênio de teria sobrevivido ao Big Bang. Outras constantes devem estar bem afinadas a um grau ainda mais exigente. O fundo de microondas varia de uma parte por 100.000. Se esse fator fosse levemente maior, o universo existiria somente como uma coleção de gases difusos, já que nenhuma estrela ou galáxia seria formada. Se esse fator fosse levemente maior, o universo consistiria apenas em grandes buracos negros. Da mesma forma, a razão de elétrons para prótons não pode variar mais do que 1 parte em 1037 senão as interações magnéticas impediriam as reações químicas. Além disso, se a razão da constante eletromagnética para a constante gravitacional fosse maior por mais de 1 parte em 1040, o eletromagnetismo predominaria sobre a gravidade, impedindo a formação de estrelas e galáxias. Se o rítmo de expansão do universo fosse 1 parte em 1055 menor do que é, o universo já teria entrado em colapso. A lei física descoberta mais recentemente, a constante cosmológica ou energia escura, é a constante física mais próxima de zero do que todas. Na verdade, a mudança de apenas 1 parte em 10120 anularia completamente o efeito.

Eventos improváveis ocorrem por acaso?

Ateus extremistas tendem a descartar o aparente planejamento do universo o atribuindo ao acaso. Embora seja possível que uma ou duas constantes requeressem afinação tão inusitada por acaso, seria virtualmente impossível que todas elas requereriam tanta precisão. Alguns físicos indicaram que qualquer número de diferentes leis físicas seria compatível com o nosso universo atual. Entretanto, não é somente o estado atual do universo que deve ser compatível com as leis físicas. As condições iniciais do universo são ainda mais rígidas, já que desvios mínimos teriam quebrado o processo. Por exemplo, acrescentando uma moeda ao peso do universo agora não teria efeito algum. Contudo, acrescentando apenas essa pequena quantidade de peso no começo do universo teria resultado num colapso no início da sua história.

O que dizem os cosmologistas?
Embora os ateus gostem de descartar tais evidências do planejamento, os cosmologistas são mais cautelosos, e fizeram afirmações como as seguintes, que revelam o problema da visão de mundo do ateu:
• "Esse tipo de universo, contudo, parece requerer um nível de afinação das condições iniciais que está em aparente conflito com a ‘sabedoria comum’."4 
• "A polarização é prevista. Foi detectada e está alinhada com as previsões teóricas. Estamos presos com esse universo absurdo."
• "Em todos esse mundos estatisticamente miraculosos (mas não impossíveis), eventos seriam necessários para juntar e preservar o núcleo frágil que normalmente seria destruído pelas temperaturas mais altas. Entretanto, embora cada uma das histórias correspondentes é extremamente improvável, destas, há tantas mais do que as que evoluem sem “milagres”, que elas dominariam vastamente os universos habitáveis que seriam criados por Poincare recorrências. Somos forçados a concluir que em um mundo recorrente como espaço de Sitter nosso universo seria extraordinariamente improvável.”

“Soluções” especulativas para o “problema” do planejamento
A nova “solução” para o planejamento no universo é a crença na teoria multi-universo. Essa teoria requer que se acredite que existem mais universos do que o número de todas as partículas subatômicas existentes no nosso universo. Nosso universo simplesmente acontece de ser um dos poucos que suportam a vida. Aqui está o que um artigo recente da Science diz sobre esse “multiverso” girando de uma “infinidade” de outros universos:
"Desconfortáveis com a idéia de que parâmetros físicos como lambda [constante cosmológica] são simplesmente acidentes oportunos, alguns cosmologistas, incluindo Hawking, sugeriram que houve uma infinidade de big bangs, acontecendo num ‘multiverso’ maior, com diferentes valores para esses parâmetros. Somente aqueles valores são compatíveis com a vida puderam ser observados por seres como nós. "7
Que evidência existe para apoiar o modelo do multiverso? Nenhuma! Tão somente não há evidências, a física do nosso universo requer que nunca sejamos capazes de obter qualquer evidência sobre qualquer outro universo (mesmo se existe de fato). Até mesmo websites seculares admitem que tais ideais não somam em nada além de metafísica, a qual não se pode provar certa ou errada:
"Apelos para os cosmos múltiplos ou paralelos ou para um infinitos números de oscilações cósmicas “Big Bang/Crunch” como elementos essenciais de mecanismos propostos não são propostas válidas por falta de correlação empírica e possibilidade de teste. Tais crenças não tem forte evidência física e devem portanto ser consideradas impossíveis de ser provadas, atualmente fora da metodologia científica para confirmar ou provar contrário, e por isso mais matematicamente teóricas e metafísicas do que científicas na natureza. Evidência cosmológica recente sugere massa insuficiente para gravidade reverter a expansão cósmica contínua. A melhor evidência cosmológica que temos sugere que o cosmos é finito, em lugar de infinito em tempo. "8
Segundo Paul Davies:
"Se é Deus, ou o homem, quem joga os dados, acaba dependendo da existência ou não de vários universos... Se, pelo contrário, os outros universos são relegados mundos fantasmas, devemos atribuir nossa existência como milagre de tão grande improbabilidade que é dificilmente digna de crédito.”

Solução teísta – planejamento mensurável
Por outro lado, o deíta ou teísta diz que Deus planejou o universo com as leis físicas. Note que nem a hipótese do multiverso ou de Deus é testável. Contudo, a hipótese de Deus é muito mais simples. A explicação naturalista requer a presença de um complicado, não provável super universo que tem a capacidade de derramar um número infinito de universos ao acaso com diferentes leis físicas. Como esse universo hipotético sabe como fazer isso? Finamente, porque deveria haver universo algum? Nenhuma dessas perguntas podem ser respondidas logicamente pelo naturalismo. Somente de um Ser inteligente pode ser esperada a motivação de produzir qualquer tipo de universo como o que vemos. Se usássemos a lâmina de Occam, que declara que deve-se usar explicação lógica mais simples para qualquer fenômeno, eliminaríamos explicação do super universo/multi-universo em favor modelo mais simples do Universo Planejado por Deus. A evidência do planejamento no universo e biologia é tão forte que Antony Flew, um propositor do ateísmo de longa data, renunciou ao seu ateísmo em 2004 e agora crê que a existência de um Criador é necessária para a explicação do universo e a vida nele.

Quem criou a Deus?
Uma objeção comum à hipótese de Deus é o problema de como Deus veio a existir. Se tudo tem uma causa por que Deus seria uma exceção? O problema com esse raciocínio é que ele presume que o tempo sempre existiu. Na realidade, o tempo é uma construção desse universo e começou com o início do Big Bang.9 Um Deus que existe além do tempo que rege o universo não é sujeito a causa e efeito. Assim, a idéia de que Deus sempre existiu e não é causado segue logicamente o fato de que o universo e o tempo em si foram criados no Big Bang. A Bíblia faz exatamente as mesmas declarações - de que Deus sempre existiu 10 e que Deus criou o tempo,11 assim como todo o universo,12 sendo descrito como um universo que se expande.13 Porque o universo não pode ser sem causa? Claro, é possível que o universo seja sem causa. Contudo, há tremenda evidência que contradiz essa idéia (ver parte 1). Assim, um ateu que declara viver sob a lógica e evidência não pode arbitrariamente atribuir a eternidade a um universo que é claramente temporal.

CONCLUSÃOGod was here
Não, Deus não deixou seu nome cravado na superfície dos planetas. Contudo, existe evidência abundante de que o universo foi planejado por um Agente super inteligente, que decidiu propositalmente que o universo deveria existir e sustentar vida avançada. O planejamento do universo é só uma linda de evidência de que Deus criou o universo. O planejamento da Terra e Sistema Solar também é bastante impressionante. Da mesma maneira, química e física excluem a possibilidade de que a vida evoluiu na terra. Além disso, seres humanos são impressionantemente diferentes de todos os animais da terra, sugerindo a saída dos processos naturalistas. 

Introdução Geral para não-Crentes, Parte 3: Por que a Cristandade?

A EVIDÊNCIA
Planejamento:
• Evidência para a Afinação Perfeita do Universo 
• Afinação Extremamente Perfeita – Energia Escura ou a Constante Cosmológica 
• O Incrível Planejamento da Terra 
• Do Início ao Homem – Como Deus declara seu amor por nós por meio do planejamento do universo 
• Citações de Cientistas sobre o Planejamento do Universo – Porquê Cientistas crêem em Deus 
• Um vôou sobre o ninho do Cuco? - Antony Flew Renuncia ao Ateísmo - Depois de décadas promovendo o ateísmo, Prof. Flew abraça o deísmo, dizendo que ele “tinha que ir onde a evidência leva” 
• Se Deus criou tudo, quem criou a Deus?
• Tamanho do Universo: Não é muito grande para ter sido criado por Deus para a Humanidade? 


Evidência Sobrenatural 
• Evidência científica para orações respondida 
• Estudos científicos que demonstram o efeito positivo da religião na saúde 

Evolução/
Planejamento
• A Origem Química da Vida (Abiogênese) é um Cenário Realista? 
• Homen, Criado à Imagem de Deus- Como o Homem é Único Entre Todas as Outras Criaturas na Terra 

Referencias

1.      Big Bang nucleosynthesis, Wikipedia.

2.      Cosmology Tutorial, Part 3: Spatial Curvature; Flatness-Oldness; Horizon, Edward L. (Ned) Wright, UCLA.

3.      "A vasta maioria do espaço consiste em estados que são macroscopicamente “mortos de Sitter”; isto é, praticamente vazios de Sitter contendo apenas alguma radiação térmica. Um pequeno subconjunto de estados são antropologicamente aceitáveis, o que significa que eles contém estruturas complexas como estrelas e galáxias, e um subconjunto muito pequeno desses são macroscopicamente indistinguíveis do nosso universo (rotulado MIFOU nos dados). Condições inflacionárias iniciais ocupam uma fração muito pequena do espaço.  Tajetórias que passam pela área inflacionária quase sempre irão imediatamente levar à região MIFOU, “misturando” adentro de “poro”, de um modo fase-espaço-area-preservativo.  A vasta maioria dos pontos na região MIFOU não veio de inflação, mas de trajetórias instáveis originadas na região morta. Finalmente, qualquer trajetória na região morta permanecerá lá o tempo todo, mas irá ocasionalmente entrar na região antropologicamente aceitável, e muito mais raramente na região MIFOU, e quase nunca na região inflacionária. Assim, universos habitáveis são quase sempre criados por “flutuações” para os estados “miraculosos” descritos acima. " por Dyson, L., M. Kleban, and L. Susskind. 2002. Disturbing Implications of a Cosmological Constant. Reprint from arXiv.

4.      Zehavi, I, and A. Dekel. 1999. Evidence for a positive cosmological constant from flows of galaxies and distant supernovae Nature 401: 252-254 401: 252-254.

5.      Discovery Supports Astronomers' Paradoxical Views of the Universe from Adler Planetarium & Astronomy Museum

6.      Dyson, L., M. Kleban, and L. Susskind. 2002. Disturbing Implications of a Cosmological Constant. Reprint from arXiv.

7.      Glanz, J. 1999. AMERICAN PHYSICAL SOCIETY MEETING: Hawking Blesses the Accelerating Universe. Science 284: 34-35.

8.      The Origin-of-Life Prize® from the Origin-of-Life Foundation, Inc.®.

9.      Penrose, R. 1966. An analysis of the structure of space-time. Adams Prize Essay, Cambridge University.
Hawking, S.W. 1966. Singularities and the Geometry of space-time. Adams Prize Essay, Cambridge University.
Hawking, S.W. and G.F.R. Ellis. 1968. The cosmic black-body radiation and the existence of singularities in our universe. Astrophysical Journal 152: 25-36.
Hawking, S.W. and R. Penrose. 1970. The singularities of gravitational collapse and cosmology.
Proceedings of the Royal Society of London. Series A: 529-548.

10.  "Eu sou Deus; também de hoje em diante, eu o sou; e ninguém há que possa fazer escapar das minhas mãos; operando eu, quem impedirá? (Isaias 43:13)
Antes que nascessem os montes, ou que tivesses formado a terra e o mundo, sim, de eternidade a eternidade tu és Deus. (Salmos 90:2)
Pois os seus atributos invisíveis, o seu eterno poder e divindade, são claramente vistos desde a criação do mundo, sendo percebidos mediante as coisas criadas, de modo que eles são inescusáveis; (Romanos 1:20)
mas agora manifesto e, por meio das Escrituras proféticas, segundo o mandamento do Deus, eterno, dado a conhecer a todas as nações para obediência da fé;
(Romanos 16:26)
Ora, ao Rei dos séculos, imortal, invisível, ao único Deus, seja honra e glória para todo o sempre. Amém. (1 Timóteo 1:17)
Ao único Deus, nosso Salvador, por Jesus Cristo nosso Senhor, glória, majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, e agora, e para todo o sempre. Amém. (Judas 1:25)

11.  Deus criou e agia antes que o tempo começasse:

o        No princípio criou Deus os céus e a terra.  (Gênesis 1:1)

o        Mas falamos a sabedoria de Deus em mistério, que esteve oculta, a qual Deus preordenou antes dos séculos para nossa glória. (1 Coríntios 2:7)

o        Que nos salvou, e chamou com uma santa vocação, não segundo as nossas obras, mas segundo o seu próprio propósito e a graça que nos foi dada em Cristo Jesus antes dos tempos eternos, (2 Timóteo 1:9)

o        na esperança da vida eterna, a qual Deus, que não pode mentir, prometeu antes dos tempos eternos, (Tito 1:2)

o        Ao único Deus, nosso Salvador, por Jesus Cristo nosso Senhor, glória, majestade, domínio e poder, antes de todos os séculos, e agora, e para todo o sempre. Amém. (Judas 1:25)

12.  No princípio criou Deus os céus e a terra. (Gênesis 1:1)
No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por intermédio dele, e sem ele nada do que foi feito se fez. (João 1:1-3)
Porque nele foram criadas todas as coisas nos céus e na terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam dominações, sejam principados, sejam potestades; tudo foi criado por ele e para ele. Ele é antes de todas as coisas, e nele subsistem todas as coisas; (Colossenses 1:16-17)
Pela fé entendemos que os mundos foram criados pela palavra de Deus; de modo que o visível não foi feito daquilo que se vê. (Hebreus 11:3)
Digno és, Senhor nosso e Deus nosso, de receber a glória e a honra e o poder; porque tu criaste todas as coisas, e por tua vontade existiram e foram criadas.
(Apocalipse 4:11)

13.   Os versos a seguir sugerem que Deus criou o universo por meio de um universo em expansão – o que a ciência chamou de Big Bang. Em muitos casos o texto em hebraico indica tempo presente – um processo ainda em progresso.

·         O que sozinho estende os céus, e anda sobre as ondas do mar; (Jó 9:8)

·         Tu que te cobres de luz como de um manto, que estendes os céus como uma cortina. (Salmos 104:2)

·         E ele o que está assentado sobre o círculo da terra, cujos moradores são para ele como gafanhotos; é ele o que estende os céus como cortina, e o desenrola como tenda para nela habitar. (Isaias 40:22)

·         Assim diz Deus, o Senhor, que criou os céus e os desenrolou, e estendeu a terra e o que dela procede; que dá a respiração ao povo que nela está, e o espírito aos que andam nela. (Isaias 42:5)

·         Assim diz o Senhor, teu Redentor, e que te formou desde o ventre: Eu sou o Senhor que faço todas as coisas, que sozinho estendi os céus, e espraiei a terra (quem estava comigo?); (Isaias 44:24)

·         "Eu é que fiz a terra, e nela criei o homem; as minhas mãos estenderam os céus, e a todo o seu exército dei as minhas ordens." (Isaias 45:12)

·         "Também a minha mão fundou a terra, e a minha destra estendeu os céus; quando eu os chamo, eles aparecem juntos." (Isaias 48:13)

·         E te esqueces de Senhor, o teu Criador, que estendeu os céus, e fundou a terra, e temes continuamente o dia todo por causa do furor do opressor, quando se prepara para destruir? Onde está o furor do opressor? (Isaías 51:13)

·         Ele fez a terra pelo seu poder; ele estabeleceu o mundo por sua sabedoria e com a sua inteligência estendeu os céus. (Jeremias 10:12)

·         É ele quem fez a terra com o seu poder, estabeleceu o mundo com a sua sabedoria, e estendeu os céus com o seu entendimento. (Jeremias 51:15)

·         A palavra do Senhor acerca de Israel: Fala o Senhor, o que estendeu o céu, e que lançou os alicerces da terra e que formou o espírito do homem dentro dele. (Zacarias 12:1)





VOLTA