HOME > CULTOS/RELIGIÕES > CRISTIANISMO 

                                        Jesus Quem É Ele?

SÃO poucos os registros seculares que falam sobre Jesus. Entretanto, existem alguns, e sobre estes diz The Encyclopædia Britannica. "Estes relatos independentes provam que na antiguidade mesmo os oponentes do cristianismo nunca duvidaram da historicidade de Jesus, que foi questionada pela primeira vez, e em bases inadequadas, por diversos autores no fim do século 18, durante o século 19 e no começo do século 20."

Pergunte-se agora: Se a existência de Jesus fosse mito, acha provável que levasse até o século 18 para isso ser descoberto? Considere também o fato de que mais de um bilhão de pessoas agora afirmam ser seguidores de Jesus. A influência que os ensinos dele exerceram sobre a cultura, a educação e o governo — sobre todo o rumo da história do mundo — não pode ser negada. Parece razoável que tudo isso tenha sido o resultado de algo nada mais substancial do que um mito?

Se o fundador do islamismo, o profeta árabe Maomé, foi uma pessoa real, que razões válidas temos para crer que Jesus Cristo, o fundador do cristianismo, não foi real? É verdade que viveu uns 600 anos antes de Maomé, mas note que o fundador do budismo, Sidarta Gautama — o Buda, ou "Iluminado" — viveu ainda mais cedo, mais de 500 anos antes de Jesus. Todavia, se Buda foi uma pessoa real, que motivo válido temos para crer que Jesus não foi?

O historiador e arqueólogo alemão Hans Einsle escreve que o historiador judeu Flávio Josefo, os escritores romanos Suetônio e Plínio, e especialmente o historiador romano Tácito, "todos confirmam a historicidade de Jesus e dos fatos principais da sua vida".

Mais do Que Apenas um Homem Comum?

Jesus existiu — mas como quê? Alguns contendem que ele era apenas um homem comum, embora admitam que deve ter sido um homem muito sábio, dado a falar a verdade. Mesmo os seus inimigos no primeiro século reconheceram isso, dizendo: "Mestre, sabemos que. . . não olhas para a aparência exterior dos homens, mas ensinas o caminho de Deus em harmonia com a verdade." — Marcos 12:13, 14.

Outros, porém, argumentam que Jesus deve ter sido mais do que apenas um humano comum. Por quê? Porque, em primeiro lugar, ele podia fazer coisas que humanos comuns não podem. Por exemplo, já conheceu alguém que pode andar sobre água, transformar água em vinho, alimentar cerca de 5.000 pessoas com dois peixinhos e cinco pães de cevada, curar os cegos ou ressuscitar os mortos? — Mateus 14:25, 26; Marcos 8:22-25; João 2:1-11; 6:1-13; 11:30-44.

Jesus podia também detectar coisas que humanos comuns não podem. Quando uma mulher lhe disse que ela não tinha marido, Jesus respondeu: "Disseste bem: ‘Não tenho marido.’ Pois, tiveste cinco maridos, e o homem que agora tens não é teu marido." Surpresa, a mulher chegou à conclusão: "Senhor, percebo que és um profeta." (João 4:16-19) Para ver um exemplo da notável previsão de Jesus a respeito de ser negado por Pedro, veja Lucas 22:31-34, 54-62.

Jesus possuía autoridade incomum. As pessoas ficavam ‘assombradas com o seu modo de ensinar, pois eis que as ensinava como quem tinha autoridade e não como os escribas’. (Marcos 1:22) Além disso, Jesus pôde dar aos "seus doze discípulos. . . autoridade sobre espíritos impuros, para os expulsarem e para curarem toda sorte de moléstias e toda sorte de padecimentos". — Mateus 10:1.

Podemos Crer nos Relatos?

‘Mas, espere um pouco’, talvez diga. ‘Não seria o caso de os pormenores sobre o que Jesus fez serem exagerados?’ Não segundo F. F. Bruce, professor aposentado de Crítica e Exegese Bíblicas, da Universidade de Manchester, que escreve: "Usualmente não costuma ser possível demonstrar por meio de argumentos históricos a verdade de cada pormenor num escrito antigo, quer dentro quer fora da Bíblia. Basta ter suficiente confiança na fidedignidade geral do escritor; uma vez estabelecido isso, há a priori uma probabilidade de que seus pormenores são verazes. . . . O Novo Testamento não tem menos probabilidade de ser historicamente fidedigno, porque os cristãos o receberam como literatura ‘sagrada’."

Tudo é a favor da fidedignidade dos escritores dos Evangelhos. Embora ocasionalmente difiram na sua apresentação de pormenores, não se contradizem, assim como duas testemunhas dum acidente de trânsito não se contradizem quando uma diz que um carro vermelho vindo da esquerda bateu num carro verde vindo da direita, ao passo que a outra diz que um Mercedes indo em direção sul bateu num Renault indo para o norte. O fato de os Evangelhos diferirem em detalhes menores indica fortemente que são verazes. Se os escritores quisessem enganar as pessoas para crerem num mito, certamente teriam coordenado muito bem as suas histórias.

Até mesmo os adversários de Jesus confirmavam os relatos sobre ele como verazes. Lemos: "[Pessoas] lhe trouxeram um homem mudo, possesso dum demônio; e, tendo sido expulso o demônio, o mudo falou. . . . Mas os fariseus começaram a dizer: ‘É pelo príncipe dos demônios que ele expulsa os demônios.’" (Mateus 9:32-34) Note que os fariseus não negaram que Jesus realizara um milagre. Apenas negaram-se a atribuir a capacidade de ele realizar tal coisa à operação do Espírito Santo de Deus.

Uma evidência adicional de que os registros sobre Jesus são verazes e o fato de que, quando se segue os princípios englobados nos seus ensinos, eles funcionam realmente. Resultam numa vida bem-sucedida e feliz. Ademais, muitas profecias de longo alcance, proferidas por Jesus, tais como as registradas em Mateus, capítulo 24, Marcos, capítulo 13, e Lucas, capítulo 21, tiveram cumprimento em nossos dias.

Jesus "o Jeová do Antigo Testamento"?

Jesus é Jeová do Antigo Testamento - para mais informações, acesse: Jesus é Jeová.

 

VOLTA