HOME > TEÍSMO/ATEÍSMO 

Por que não sou ateu

O Ateísmo deixou de ser uma militância. Dificilmente vemos hoje em dia pessoas apregoando o ateísmo. Na verdade o que é muito comum é o ateísmo prático ou o indiferentismo. Poderíamos dizer que o homem moderno não precisa mais de Deus. Os avanços da tecnologia em todas as áreas, levam o homem a se divinizar e achar que tudo pode. Uma pergunta que muitos ateus práticos podem fazer a um cristão: "Você realmente crê em Deus e acha que religião trará felicidade?" Esta pergunta é freqüente mesmo na internet, é só procurar nos sites certos e acharemos centenas de pessoas que estão indiferentes a Deus. É comum, também, se pensar que a ciência nega a religião, muito pelo contrário, vejamos algumas frases de cientistas famosos.

"Para onde quer que se dilate o nosso olhar, em parte alguma vemos contradição entre Ciências Naturais e Religião; antes, encontramos plena convergência nos pontos decisivos. Ciências Naturais e Religião não se excluem mutuamente, como hoje em dia muitos pensam e receiam, mas completam-se e apelam uma para a outra. Para o crente, Deus está no começo; para o físico, Deus está no ponto de chegada de toda a sua reflexão". MAX PLANK - Prêmio Nobel de 1928

"Todo profundo pesquisador da natureza deve conceber uma espécie de sentimento religioso, pois não pode admitir que ele seja o primeiro a perceber os extraordinariamente belos conjuntos de seres que ele contempla. No universo, imcompreensível como ele é, manifesta-se uma inteligência superior e ilimitada - A opinião corrente de que sou ateu, baseia-se sobre grande equívoco. Quem a quisesse despreender de minhas teorias científicas, não teria compreendido o meu pensamento". ALBERT EINSTEIN - Físico Alemão - Prêmio Nobel de 1921

Nas pesquisas sobre a pré-história podemos verificar que o homem já tinha uma religiosidade. Uma das primeiras coisas que se nota é o sepultamento dos mortos, por respeito e esperança de uma vida póstuma. No decorrer dos séculos podemos acompanhar a evolução humana e verificar que a religiosidade sempre acompanhou o homem neste mundo. Muitas expressoões de religiosidade foram desvirtuadas pela maldade do homem, havendo até sacrifícios humanos, principalmente de crianças. O homem foi percebendo que as coisas deste mundo não bastavam para responder às suas perguntas mais básicas: "De onde vim? Para onde vou? Como explicar as maravilhas da natureza?" Dai o homem, em todas as partes do mundo, desde o princípio da sua existência, acredita em um ser Superior, um Criador.

Muitas pessoas perguntam: "Pode Deus existir, se há tanta miséria e maldade no mundo que Ele criou?" A resposta é simples: O mal não é uma realidade positiva; é, antes, uma carência ou falta de algo que deveria existir e não existe. Assim a cegueira é um mal, porque é carência de visão em quem a deveria ter; a violência é um mal porque é carência da finalidade devida no comportamento de um homem inteligente e hábil. A miséria no mundo é geralmente causada pela ganância e pelo egoísmo de pessoas que centralizam poder e dinheiro em suas mão, deixando irmão passar fome e viver no completo abandono. O capitalismo atual é o principal responsável por esta mentalidade egoísta e pagã. Leia no livro dos Atos dos Apóstolos, no capítulo 2, versículos 44 e 45: "Os fiéis viviam todos unidos e tinham tudo em comum. Vendiam suas propriedades e seus bens, repartindo tudo entre todos, conforme a necessidade de cada um". Se no mundo atual houvesse tal partilha dos bens que Deus criou para todos, a pergunta do início deste parágrafo não teria razão para ser feita.

A busca do prazer a qualquer preço é outra barreira à religiosidade. Cada vez mais a maioria da pessoas procuram o prazer carnal e deixam a Religião. Ora, se uma pessoa deseja viver ao seu modo e procura uma "religião" que se adapte ao seu pensar; na verdade está procurando uma justificativa para seus atos, e não um Ser Supremo. Não podemos, e nem tão pouco devemos, desejar adaptar Deus a nossa vontade, o contrário disto é que deve ser feito. Devido a esta "religião particular" é que o mundo está fervilhando de propostas das mais descabrosas. 

CONCLUINDO

"Não sou ateu, porque sei que, se procurasse viver sem Deus, sem a convicção de que existe um Bem Infinito que me fez e aguarda, eu não poderia responder às questões fundamentais de todo ser humano: De onde venho? Para onde vou? " Padre Dom Estêvão Bettencourt - O.S.B. (Ordem de São Bento)

 

VOLTA