HOME > SEITAS/HERESIAS > TESTEMUNHAS DE JEOVÁ 

Respondendo ao site O Sentinela em Vigia
"Trindade: Argumentos sem fundamento"

Por: Emerson H. de Oliveira

Continuando com nossa série de respostas ao site TJ O Sentinela em Vigia, vamos ver "Trindade: Argumentos sem fundamento" . Vamos colocar o texto do artigo em preto e minhas respostas em azul:

---------------------------------------------------------------------------------

Em continuação, se alista uma série de versículos bíblicos nos quais os trinitários têm encontrado apoio em sua crença.  A maioria destes foi interpretado de forma incorreta ou a tradução não se apega aos manuscritos antigos.

"A tradução não se apega aos manuscritos antigos?" Que declaração gratuita e sem sentido. A TNM, que é uma paráfrase modernista, é que
distorce certos textos para satisfazer sua teologia. Pessoalmente, uso a Bíblia de Jerusalém. Uso a Almeida esporadicamente, mas recomendo a Atualizada. Vamos ver "quem" interpretou de forma incorreta?

João 5:18 (Al.)  

“Por isso, pois, os judeus ainda mais procuravam matá-lo, porque não só quebrantava o sábado, mas também dizia que Deus era seu próprio Pai, fazendo-se igual a Deus”.

Os defensores do dogma dizem que os judeus queriam matar a Jesus por que ele disse que era igual a Deus. Foi isso mesmo o que ele queria dizer? Quem disse isso?

Se você ler detidamente esse versículo, notará que quem interpretou que Jesus ‘se fazia igual a Deus’ foram os judeus, não os discípulos de Cristo. Note que também o acusaram de ‘quebrantar o sábado’. Quebrantou Cristo realmente o dia de repouso, o sábado? (Mateus 12:10-12) Se fez igual a Deus? Não, pois para rebater a essa falsa acusação, imediatamente respondeu: “Na verdade, na verdade vos digo que o Filho por si mesmo não pode fazer coisa alguma, se o não vir fazer o Pai; porque tudo quanto ele faz, o Filho o faz igualmente” (João 5:19).

Se Jesus tivesse se considerado igual a Deus, não haveria pronunciado estas palavras. Alguém igual a Deus pode atuar como melhor lhe pareça, mas Jesus não o fez. Tudo o que fazia era em imitação de seu Pai.  

Este versículo se relaciona com Jo.10.33 (este também é bem explícito em mostrar que Jesus é IGUAL - em todos os sentidos a Deus). Isto mostra que, na visão dos judeus, o nome Filho de Deus, ou chamar a Deus de Seu Pai, implica igualdade com Deus. Os judeus eram os melhores intérpretes de sua própria linguagem, e como Jesus não negou suas interpretações, segue-se que ele quis ser entendido assim. Veja Jo. 10:29-38. A interpretação dos judeus foi muito natural e correta. Ele não só disse que Deus era Seu Pai, mas ele disse que ele tinha o mesmo direito de trabalhar no sábado que Deus; que pela mesma autoridade, e da mesma maneira, ele poderia dispensar a obrigação do dia. Eles agora tinham dois motivos para matá-lo - um por se fazer igual a Deus, o que eles consideraram uma blasfêmia, e o outro por violar o sábado. Para cada um destes a lei declarava a morte (Nm. 15:35 Le 24:11-14). 

 

João 10:30  

                   “Eu e o Pai somos um”.

Alguns pretendem utilizar esse versículo em prova da Trindade, mas uma comparação com outras partes das Escrituras nos permite compreender o que Jesus queria realmente expressar. Em João 17:20-22, Jesus faz uma oração em que pede que seus seguidores “sejam um, assim como nós somos um”. Orava para que todos eles fossem uma só entidade? Não, Jesus orava para que seus discípulos estivessem unidos em pensamento e propósito, como estavam ele e Deus (1 Coríntios 1:10).

Todavia, cabe perguntar: Por que Jesus não disse: “Eu, o Pai e o Espírito Santo somos um”?  


Este é um argumento fraco, típíco das seitas. Eles lêem um versículo, sem às vezes se preocupar com as linguagens originais. O significado de "um" aqui não é dado comparando-se com outros versículos (coisa muito comum que a Torre de Vigia faz, erroneamente) mas de seu CONTEXTO IMEDIATO. É muito provável que Cristo estivesse dizendo unidade em NATUREZA com o Pai devido a estes fatores: 

1º. A questão em debate não era sobre se Ele estava unido com o Pai em pensamento e propósito, mas em poder. Ele afirmou que poderia salvar seu povo de todos os inimigos, ou que ele tinha poder superior a homens e demônios - ou seja, ele tinha poder supremo sobre toda a criação. Ele afirmou o mesmo de seu Pai. Nisto, então, eles estavam unidos. Mas este era um atributo que SÓ Deus tinha, e eles entenderam assim que Ele afirmando igualdade com Deus com respeito a onipotência

2º. Os judeus entenderam que Ele estava afirmando a igualdade com Deus, porque eles levaram pedras para o castigar por blasfêmia (Jo. 10:31,33), e eles lhe disseram que entenderam que ele estava dizendo ser Deus (Jo. 10:33). 

3º. Jesus não negou que fosse sua intenção de ser entendido assim. Veja Jo. 10:34, e Mt. 10:35-37. 

4º. Ele imediatamente fez outra afirmação implicando a mesma coisa  e deixa a mesma impressão, e o qual eles tentaram castigar da mesma maneira, Jo. 10:37-39. Se Jesus não quisesse dizer isto não pode ser reconciliado facilmente com honestidade moral que ele não negou ser entendido assim. Os judeus estavam bem familiarizados com a própria linguagem. Eles o entenderam desta maneira, e ele deixou esta impressão em suas mentes. 

Se a Torre de Vigia está certa, a única explicação para a reação de judeus é que eles entenderam mal Jesus, porque eles não poderiam ter nenhuma objeção a qualquer um que fosse "um em propósito" com o Pai. Mas dado o que Jesus disse, de que outra forma eles poderiam entender o "eu e meu Pai somos um"? A única explicação para as afirmações de Jesus, já que Ele sabia de seus corações de seus ouvintes, é que Ele afirmava ser UM em NATUREZA com o Pai e negar isso é ser totalmente desonesto. Jesus poderia ter dado respostas difíceis para as perguntas dos judeus mas não era possível que Ele os enganasse sobre o sentido que Ele era "um" com Seu Pai.

Se "eu e o Pai somos um" significa só "unidade", então o mesmo poderia ser dito sobre quaisquer dos outros profetas ou anjos do passado e os judeus não iriam querer apedrejar a Jesus. Se Jesus somente estivesse ensinando que ele era um mensageiro enviado de Deus como Moisés ou um dos profetas, eles nunca teriam tentado apedrejá-Lo. Daí, esta idéia ariana que Jesus é uma criatura enviada por Deus como Moisés, um dos profetas ou até mesmo um anjo, é obviamente uma interpretação falsa

O entendimento errado do Espírito Santo faz com que eles façam uma pergunta ilógica. O Espírito Santo procede do Pai e do Filho. Para ver isto, veja aqui, na página das TJ do Logos.

1 João 5:7 (Al)

“Porque três são os que testificam no céu: o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um”.

A maioria dos eruditos concorda em que este versículo é uma inserção espúria que não aparece nos manuscritos mais antigos. Ainda assim, todavia há alguns trinitários que ignorantemente utilizam este versículo para apoiar a Trindade.

Reconhecidas versões em português, como a Bíblia de Jerusalém, Nova Versão Internacional, Bíblia Sagrada Edição Pastoral, A Bíblia na Linguagem de Hoje e Versão Brasileira omitem essa passagem apócrifa, igual a Tradução do Novo Mundo. A grande maioria das versões mais modernas em outros idiomas também tem omitido esse versículo.

Interessante que a obra A Bíblia Explicada diz: “Nos versículos 7, 8  de 1 João 5 devemos omitir as seguintes palavras: “No céu, o Pai, a Palavra, e o Espírito Santo; e estes três são um. E três são os que testificam na terra”, por não se encontrarem nos melhores manuscritos.” — S. E. McNair (Casa Publicadora das  Assembléias de  Deus, Rio de Janeiro, Brasil, 1985), p. 489.  

Concordo. E NUNCA usei esta interpolação de IJo. 5.7 para debater sobre a Trindade. Realmente não está nos manuscritos autorizados. Não se precisa deste versículo quando se discute sobre a Trindade sendo que há exemplos óbvios na Bíblia. E por falar nisso, de onde as TJ tiraram aquela palavra "outras" em Cl. 1.16ss, sendo que não estão nos MANUSCRITOS AUTORIZADOS? (aliás, em nenhum:)). As TJ ainda insistem que a palavra "Trindade" não está na Bíblia, que é um ensino não muito claro, etc. As TJ freqüentemente descrevem a Deus como "imutável e onipotente" (e eu concordo) mesmo que estas palavras não estejam na Bíblia mais que a Trindade! Alguma Testemunha de Jeová vai dizer que Onipotente é usado em latim, na Vulgata latina, porém o fato que é um má tradução é provado pelo fato que o Tradução do Novo Mundo não segue o uso da palavra Onipotente. 

De fato, as TJ são conhecidas por empregarem palavras que não são encontradas na Bíblia para ensinar sua falsa doutrina. Eis uma lista das palavras favoritas das TESTEMUNHA DE JEOVÁ: "teocracia, milênio, rapto, organização mundial centralizada, Sociedade Torre de Vigia, Salão do Reino, servos ministeriais, Assembléias de Circuito, Teocracia, Escola de Ministério". Lembre-se que todas estas palavras não só ensinam uma falsa doutrina, mas também não se encontram em lugar nenhuma da Bíblia, nem mesmo o conceito por trás das palavras! 

 

Hebreus 1:6 (Al)

E outra vez, quando introduz no mundo o primogênito, diz: E todos os anjos de Deus o adorem”.

Indica essa passagem que os anjos adoraram a Jesus como se fosse Deus mesmo?

Clique aqui (Jesus deve ser adorado?) para ver uma refutação completa disto também. O problema com este versículo na bíblia TJ é com a palavra "prestar homenagem" No grego, a palavra é "proskuneo". Significa, adoração, curvar-se em adoração, genuflexão, homenagem. Quando a TNM mostra que os reis vieram visitar a Jesus colocam como "prestar homenagem", mas as palavras "prestar homenagem" não mostram suficientemente o ato da adoração que Ele tinha por causa de sua natureza divina. Já que as testemunhas do Jeová negam que Jesus é Deus em carne, não podem deixar que sua bíblia ensine que Jesus foi adorado. Por isso, cada vez que a palavra "proskuneo" é usada em referência a Cristo, é traduzida como "prestar homenagem" e nunca como adoração.
Jesus disse em Mt. 4:10 que você deve adorar (proskuneo) só a Deus, mas Jesus também é objeto de adoração em Mt. 2:2; 2:11; 14:33; 28:9; e Jo. 9:35-38. Vemos que todas as Bíblias em português, exceto a Novo Mundo, são consistentes em sua tradução destas passagens.  
Em At. 10:25-26 que diz: "Aconteceu que, indo Pedro a entrar, lhe saiu Cornélio ao encontro e, prostrando-se-lhe aos pés, o adorou. Mas Pedro o levantou, dizendo: Ergue-te, que eu também sou homem" (ARA). Aqui, Cornélio se curva diante de Pedro. A palavra grega aqui é "proskuneo". Pedro sabia que esta homenagem só devia ser dada a Deus. Jesus, indubitavelmente, sabia da mesma coisa. Só que quando se prostavam diante de Jesus, Ele não negou (M.8.2; Lc. 5.8) Por que? Porque Jesus é digno de adoração. É Deus em carne (Jo. 1:1,14).
O interessante é que a Torre de Vigia já ensinou que Jesus deve ser adorado (veja na página 216 da revista Watchtower de 15 de julho de 1898). E na edição da TNM de 1970, Hb. 1.6 dizia "adoração". na edição de 1980 mudaram para "prestar homenagem". A Torre de Vigia (um vento de doutrina) muda a sua versão para se adequar a sua doutrina.

Hebreus 1:8 (Al)

Mas, do Filho, diz: Ó Deus, o teu trono subsiste pelos séculos dos séculos, cetro de eqüidade é o cetro do teu reino”.  

Para uma discussão completa sobre este tema ver aqui.
Outro exemplo da má tradução deles. O grego de Hb.1.8 pode ser lido de duas formas: "Teu trono, ó Deus, é para sempre e sempre" ou "Deus é teu trono para sempre e sempre". Ambas são válidas (a TJ chamado "Sertanejo" me respondeu no Guestbook do site www.vigiatorre.cjb.net que este "válida" significava que eu apoiava a tradução da NM. Não quis dizer isso. Disse que era "válida" em Hb. 1.8, não que o Sl.45.6 a apoiava! Em nenhum lugar da Bíblia vemos que DEUS É O TRONO DE UMA CRIATURA, mas que o TRONO DE DEUS É ETERNO. À minha pergunta, o Sertanejo diz o seguinte:

-----------
Revelação 3:21:

" Àquele que vencer, concederei assentar-se comigo no meu trono, assim como eu venci e me assentei com o meu Pai no SEU TRONO."

Isto sim é que é "sola a scriptura"!!! O resto, é o resto!!!

-------

Mas onde diz aí que "Deus é um trono"? Nenhum paralelo.) Devemos notar que a segunda tradução não afirma a divindade de Cristo. Para vermos qual é a correta, vamos ver a citação do Sl.45.6. Esta salmo está escrito em hebraico e só pode ser traduzido "teu trono, ó Deus, é para sempre e sempre". Por esta razão, esta é a tradução usada na Bíblia.

O comentário Barnes New Testament Notes diz: "os unitarianos proporam a tradução 'Deus é teu trono'. Mas como pode Deus ser um trono de uma criatura? Qual o significado de tal expressão? Onde há um paralelo para este versículo? Esta tradução tem sentido?"

Não é assim com a Bíblia das TJ. Eles usam a OUTRA tradução que NÃO afirma a divindade de Cristo. Isto apesar do fato que o Sl. 45.9 mostrar que a primeira é a certa.

Timóteo 3:16, Almeida Corrigida Fiel, SBTB

E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória”.

Assim está traduzido este versículo na versão da Bíblia Almeida Corrigida Fiel (ACF), da Sociedade Bíblica Trinitariana do Brasil (SBTB), 1994 e na maioria das edições seguintes. Não obstante, talvez poucos saibam que esse versículo tem inserido a palavra ‘Deus’ de maneira espúria, a qual não aparece nos manuscritos mais antigos. Outras versões, como a Tradução do Novo Mundo traduzem esse versículo assim: “Deveras, o segredo sagrado desta devoção piedosa é admitidamente grande: ‘Ele foi manifestado em carne, foi declarado justo em espírito, apareceu a anjos, foi pregado entre nações, foi crido no mundo, foi recebido acima em glória’”.  

Não vou discutir tanto isto aqui porque também concordo que nos manuscritos mais autorizados ITm.3.16 não diz "Deus". Mas de novo não é necessário usar este versículo para se demonstrar que Jesus É DEUS ENCARNADO e veio ao mundo (Mt 1:23 e Jo. 1:14)

João 20:28  

            “E Tomé respondeu, e disse-lhe: Senhor meu, e Deus meu!” 

A conclusão de alguns é que aqui Tomé estava reconhecendo a Jesus como Deus, e que, portanto, Jesus é o Deus Todo-Poderoso. É isto o que realmente pensava Tomé? Que quis dizer realmente com essa expressão?

Se lermos os versículos anteriores, notaremos que Tomé tinha dúvidas acerca da ressurreição de Jesus. Disse que só creria que Jesus havia ressuscitado se tocasse nas partes onde lhe haviam cravado os pregos (João 20:25). Uma semana depois Jesus aparece aos apóstolos e Tomé estava presente (João 20:26). Então Jesus pede a Tomé para que o toque nas regiões afetadas (João 20:27). Qual foi a reação de Tomé? Ficou enormemente assombrado. Assim sendo, a expressão “Senhor meu, e Deus meu” não eram palavras dirigidas a Jesus, mas uma forma de expressar seu assombro por algo que jamais havia visto em sua vida.

Este é um argumento risível!!! Não existia este tipo de exclamação nos tempos bíblicos!!! O site O Sentinela comete duas gafes aqui: uma, ao dizer que a frase NÃO era dirigida à Jesus e outra que foi só uma exclamação (tipo: "meu Deus! Minha nossa!"). O Quadros Verbais do Novo Testamento, de Robertson, diz daqui: "Não é exclamação, mas endereçada, o caso vocativo ainda que na forma do nominativo, uma coisa muito comum no Koiné. Tomé estava completamente convencido e não vacilou de se dirigir ao Cristo ressuscitado como Senhor e Deus. E Jesus aceitou suas palavras e elogiou a Tomé por isto" (grifo nosso).

Hoje é bastante comum a expressão “Meu Deus!” quando algo nos provoca  assombro ou nos toma por surpresa. Se você ler detidamente desde o versículo 24 e comparar tudo isto com o capítulo 14 do mesmo evangelho de João, verá que o contexto em si mesmo mostra que Tomé não cria que Jesus fosse o Deus Todo-Poderoso. Note que além disto, o capítulo 20 de João é concluído assim: “Mas, estes foram escritos para que creiais que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus, e que, por crerdes, tenhais vida por meio do seu nome”.   

As TJ tem várias explicações para este versículo, tudo para escapar à própria razão de que este versículo chama Jesus de DEUS. Sim, porque num diz que é uma exclamação, noutro diz que a frase inteira é dirigida a Jeová. Nenhum dos dois é certo porque o versículo mesmo diz que Tomé DISSE A ELE (JESUS). Não há como provar, como querem as TJ, que o versículo só chama Jesus de "Senhor" e a Jeová de "Deus". Os dois são para ele. E como as TJ usam de dois pesos e duas medidas, dizem que quando um theos (deus, em grego) vem acompanhado de artigo (o, a) significa o Deus Todo-Poderoso (fazem um verdadeiro bafafá para desmentir que Jesus é Deus em Jo.1.1). Só que Jo.20.28 tem o artigo em theos (Deus). Isto não prova que Jesus é Deus? Jesus é o Filho de Deus com tudo o que este alto termo implica, o Logos (Verbo) de Jo. 1.1-18, "verdadeiro Deus de Deus verdadeiro", o Revelador Encarnado de Deus.

Note que não se diz: “Para que creiais que Jesus o Cristo é Deus”. Algo que deveria ser escrito assim, se a interpretação trinitária de João 20:28 se apegasse ao contexto e ao resto das Escrituras.

Gostaria que essa TJ me explicasse então como Tomé chamou Jesus de "meu Deus" (isto é irrefutável, visto as provas acima. Estou disposto a responder a qualquer TJ que quiser debater isto comigo. Escreva para emersonoliv@yahoo.com.br Não adianta apegar a versículos isolados. Quero a resposta: como você explica que Tomé chamou a Jesus de "meu Deus"?

VOLTA